A orientação PET/CT oferece uma abordagem valiosa para biópsias pulmonares

Pesquisadores do Brasil descobriram que o PET/CT tem vantagens sobre a orientação convencional do CT.

13 Jan, 2021

Uma maneira ideal de reduzir os resultados inconclusivos da biópsia pulmonar e detectar melhor as doenças malignas é usar FDG-PET/CT para o procedimento guiado por imagem. Pesquisadores do Brasil descobriram que o PET/CT tem vantagens sobre a orientação convencional do CT. Em um estudo publicado em 31 de dezembro de 2020, no Journal of Nuclear Medicine, os pesquisadores avaliaram prospectivamente mais de 300 pacientes submetidos à avaliação de suspeita de câncer de pulmão e descobriram que biópsias guiadas por FDG-PET/CT encontraram uma porcentagem maior estatisticamente significativa de lesões malignas do que procedimentos invasivos guiados apenas por TC.

O benefício clínico da orientação de biópsia PET/CT é o tratamento mais rápido e apropriado para pacientes com suspeita de câncer de pulmão. "Nossos resultados podem influenciar a decisão do método preferido para orientação de biópsia percutânea de lesões pulmonares, se PET/CT e CT estiverem disponíveis", escreveram os pesquisadores, liderados pelo primeiro autor Dr. Juliano Julio Cerci, PhD, da Quantum Diagnostic Imagem em Curitiba, Brasil.

A biópsia guiada por TC tem sido considerada um "método eficaz e seguro na investigação diagnóstica em várias configurações clínicas diferentes", observaram os pesquisadores, e se as informações metabólicas do FDG-PET forem combinadas com os achados anatômicos da TC, os resultados "podem otimizar o diagnóstico rendimento de intervenções guiadas por imagem. " Uma comparação direta das duas modalidades de biópsias pulmonares percutâneas, no entanto, nunca foi realizada, acrescentaram.

Para preencher essa lacuna, Cerci e colegas analisaram os resultados de 216 pacientes (idade média, 65,9 ± 12,1 anos) que se submeteram à biópsia percutânea guiada por FDG PET/CT e 125 pacientes (idade média, 65,4 ± 13,2 anos) que foram submetidos ao mesmo procedimento usando CT apenas como guia. Todos os 341 indivíduos foram submetidos a biópsias de corpo inteiro no mesmo sistema PET/CT (Discovery STE-16, GE Healthcare), que apresentava um sistema de imagem fluoroscópica CT. Em seguida, foram acompanhados por um período mínimo de seis meses.

Na primeira rodada de biópsias, a abordagem guiada por FDG-PET/TC foi estatisticamente superior (p = 0,001), com a descoberta de 170 lesões malignas (79%), em comparação com 77 lesões malignas (62%) entre as TC- grupo de biópsia guiada. As 46 lesões pulmonares benignas restantes (21%) no grupo guiado por FDG-PET/ TC foram significativamente menores do que as 48 lesões benignas (38%) entre os pacientes com biópsia guiada por TC (p = 0,001).

FDG-PET/CT também registrou significativamente menos resultados inconclusivos (p <0,001) na primeira rodada de biópsias. A abordagem de imagem híbrida relatou apenas cinco resultados inconclusivos (2%), em comparação com 13 resultados inconclusivos (10%) com biópsias guiadas por TC. Biópsias de acompanhamento não mostraram diferença estatisticamente significativa entre os procedimentos guiados por TC, que concluiu que havia 12 lesões malignas (92%), enquanto FDG-PET/CT confirmou cinco resultados malignos (100%) de todos os cinco casos indeterminados.

"Uma vez que integramos as excelentes informações anatômicas da TC, especialmente importantes para avaliar vasos e estruturas importantes relacionadas ao trajeto da biópsia, com a caracterização metabólica fornecida pelas imagens FDG-PET, a amostragem da porção hipermetabólica da lesão morfológica aparentemente maior vista na TC torna-se viável , que tem mais probabilidade de render material representativo para análise microscópica ", escreveram Cerci e colegas.

Os pesquisadores também investigaram o quão bem os pacientes toleraram os procedimentos de duas biópsias e encontraram "taxas de complicações semelhantes em ambos os grupos, sem eventos adversos com risco de vida ou fatalidades relatadas. Portanto, dado o tamanho de nossa amostra e os resultados observados, consideramos os dois métodos bastante seguro no geral. "

Quanto aos médicos que executam as tarefas, sua exposição à radiação foi semelhante com FDG-PET/CT e CT apenas, "uma vez que nossa abordagem não exigiu uma injeção de FDG repetida durante o procedimento de biópsia", acrescentaram.

Imagem: As imagens são de um paciente com massa pulmonar que foi encaminhado para FDG-PET/CT. A imagem PET (A) mostra múltiplas lesões no pulmão esquerdo, nódulos linfáticos e ossos. A imagem axial da TC de tórax (B) mostra a colocação da agulha guia coaxial na lesão que não diferencia a atelectasia da lesão pulmonar ativa metabólica. A imagem axial PET/CT fundida (C) confirma o posicionamento da agulha guia coaxial na borda metabólica da lesão, o que garante que as amostras metabolicamente ativas serão coletadas com uma agulha que pode ser inserida 2 cm mais adiante. Uma análise patológica confirmou adenocarcinoma. Cortesia das imagens do Journal of Nuclear Medicine.

Fonte: https://www.auntminnie.com/index.aspx?sec=sup&sub=mol&pag=dis&ItemID=131278

 

 

Compartilhe


NOTÍCIAS RELACIONADAS