A ressonância magnética ilumina o impacto negativo do COVID-19 nos olhos

As descobertas apontam para a necessidade de rastreamento para manifestações oftalmológicas potencialmente graves de COVID-19 em pacientes que contraíram a doença.

17 Fev, 2021

A ressonância magnética mostra que COVID-19 pode ter um impacto negativo nos olhos de pessoas com formas graves da doença, de acordo com um estudo publicado em 16 de fevereiro na RadiologiaAs descobertas apontam para a necessidade de rastreamento para manifestações oftalmológicas potencialmente graves de COVID-19 em pacientes que contraíram a doença, escreveu uma equipe liderada pelo Dr. Augustin Lecler, PhD, do Rothschild Foundation Hospital em Paris, França.

“A triagem de pacientes [COVID-19] pode ser adequada para fornecer tratamento apropriado e melhorar o gerenciamento de manifestações oftalmológicas potencialmente graves [da doença]”, escreveu a equipe.

O SARS-CoV-2, o vírus que causa o COVID-19, ataca principalmente os pulmões, mas também foi associado a doenças oculares, como conjuntivite e retinopatia, observaram os autores. Embora as anormalidades oculares em pacientes com COVID-19 tenham sido documentadas em ressonância magnética, a pesquisa sobre as características e a frequência dessas complicações oculares são limitadas.

Este estudo, conduzido sob os auspícios da Sociedade Francesa de Neurorradiologia (SFNR), incluiu 129 pacientes com COVID-19 grave confirmado por reação em cadeia da polimerase de transcrição reversa (RT-PCR) que foram submetidos a exames de ressonância magnética do cérebro por uma variedade de razões (despertar tardio apesar da descontinuação da sedação, 67%; agitação e confusão após despertar, 22%; e agitação e alucinações, 11%). Os pacientes foram tratados em 16 hospitais entre março e maio de 2020.

Os pesquisadores descobriram que nove (7%) dos pacientes com COVID-19 apresentaram resultados anormais de ressonância magnética no globo ocular, com um ou mais nódulos no pólo posterior. Todos esses pacientes apresentavam nódulos na região macular, ou área do olho responsável pela visão central, e oito apresentavam nódulos em ambos os olhos (89%).

Por que os nódulos formados nesses pacientes não está claro, embora Lecler e colegas tenham hipotetizado que poderia ser devido à inflamação causada pelo vírus ou à drenagem inadequada das veias nos olhos em pacientes que passam tempo na unidade de terapia intensiva (UTI) em prono posição ou intubado. Na verdade, oito dos nove pacientes que tiveram achados oculares anormais na ressonância magnética foram admitidos na UTI, e sete deles permaneceram na posição prona na UTI por longos períodos, observou o grupo.

Os resultados do estudo destacam a necessidade de rastreamento da saúde ocular em pacientes com COVID-19 grave, que pode consistir em imagens dos olhos com ressonância magnética de alta resolução; fundoscopia para avaliar a parte posterior do interior do olho; ou tomografia de coerência óptica, que visualiza a estrutura do olho, segundo a equipe de Lecler.

O estudo deve ajudar os radiologistas a oferecer aos pacientes com COVID-19 um atendimento ainda melhor devido ao conhecimento das complicações oculares em potencial, escreveu a Dra. Claudia Kirsch da Escola de Medicina Zucker Hofstra em Northwell em Manhasset, NY, em um editorial anexo. “A patologia ocular do vírus SARS-CoV-2 freqüentemente significa um processo de doença mais grave e pode estar ocorrendo com maior prevalência do que atualmente relatado e visualmente subestimado na ressonância magnética atual”, escreveu ela. "Este artigo lembra a todos os radiologistas que devem prestar atenção às órbitas na ressonância magnética, especialmente em pacientes gravemente enfermos com COVID-19 admitidos em terapia intensiva."

Imagem: Um homem de 56 anos apresentando COVID-19 grave. O paciente estava internado na UTI há 20 dias quando foi realizada uma ressonância magnética devido ao atraso no despertar, apesar da suspensão da sedação. Ele apresentou síndrome do desconforto respiratório agudo e foi intubado com oxigênio suplementar de alto fluxo e colocado em decúbito ventral. A ressonância magnética 3D com inversão atenuada por fluido com recuperação ponderada reformatada no plano axial mostra vários nódulos hiperintensos do pólo posterior do globo localizados na região macular (ponta de seta branca) e na região extramacular (pontas de seta pretas). Observe a presença de um descolamento retiniano focal temporal do olho esquerdo (seta). Imagens e legenda cortesia da RSNA.

Fonte: https://www.auntminnie.com/index.aspx?sec=sup&sub=mri&pag=dis&ItemID=131580

 

 

 

Compartilhe


NOTÍCIAS RELACIONADAS