A ressonância magnética rastreia complicações de tecidos moles após a substituição do quadril

Dado seu desempenho no estudo, a ressonância magnética poderia ser utilizada em procedimentos de acompanhamento padrão para esses pacientes, concluíram os pesquisadores do Hospital for Special Surgery (HSS), em Nova York.

13 Jul, 2021

A ressonância magnética rastreia com eficácia as complicações dos tecidos moles em pacientes submetidos à artroplastia de recapeamento do quadril ou artroplastia total do quadril, de acordo com a pesquisa publicada em 7 de julho na Clinical Orthopaedics and Related ResearchDado seu desempenho no estudo, a ressonância magnética poderia ser utilizada em procedimentos de acompanhamento padrão para esses pacientes, concluíram os pesquisadores do Hospital for Special Surgery (HSS), em Nova York.

"Os resultados sugerem que a ressonância magnética é a única capaz de avaliar as complicações dos tecidos moles e que o uso da ressonância magnética deve ser incluído como parte do protocolo de acompanhamento de rotina para pacientes com artroplastia de quadril, como uma avaliação clínica anual dependente de pesquisa ou teste de íon metal no sangue apenas pode não detectar complicações ", disse o hospital em um comunicado.

As peças de reposição do quadril são feitas de plástico, cerâmica, metal ou uma combinação destes e, com o uso regular, podem sofrer desgaste, de acordo com uma equipe liderada por Matthew Koff, PhD. Como as partículas das peças de reposição podem causar danos ao tecido articular, é importante acompanhar os pacientes com prótese de quadril ao longo do tempo. A ressonância magnética é uma boa maneira de fazer isso, especialmente porque não transmite radiação, de acordo com os pesquisadores.

Koff e colegas conduziram um estudo que usou a ressonância magnética para avaliar complicações locais do tecido em 206 pacientes (tanto sintomáticos quanto assintomáticos) que haviam se submetido à artroplastia de recapeamento do quadril ou próteses de quadril com peças feitas de materiais diferentes. O grupo avaliou o volume de reação do tecido articular aos implantes com ressonância magnética e mediu os níveis de partículas de metal no sangue por meio de testes de íons de metal no sangue.

A ressonância magnética detectou reações adversas nos tecidos locais em 25% dos pacientes submetidos à artroplastia de recapeamento do quadril - um resultado surpreendente, afirmaram os pesquisadores, pois esses pacientes descreveram sintomas semelhantes ou menos graves do que os descritos por pacientes com artroplastia total do quadril. A equipe de Koff também descobriu que os pacientes que fizeram a artroplastia de recapeamento do quadril tiveram um volume maior de reação do tecido articular no exame de ressonância magnética e um risco quase cinco vezes maior de complicações teciduais em comparação com os pacientes que fizeram próteses de cerâmica sobre polietileno.

"Descobrimos que os pacientes podem ser completamente assintomáticos e ter pontuações de quadril de alto funcionamento, enquanto abrigam reações que podem começar a destruir os tecidos moles ao redor do quadril", disse o autor sênior do estudo, Dr. Hollis Potter, no comunicado do hospital. "Esta descoberta é importante porque as reações dos tecidos geralmente pioram com o tempo. A detecção atrasada resulta em dor desnecessária, operações de revisão mais longas e complicadas e recuperações mais desafiadoras."

Os pesquisadores esperam que os resultados do estudo levem os médicos a usar a ressonância magnética para avaliar os pacientes após a artroplastia de reconstrução do quadril ou cirurgia de substituição.

"Ao compartilhar nossas descobertas, esperamos que os médicos comecem a incorporar ressonâncias magnéticas nas avaliações dos pacientes, levando à detecção precoce de problemas e melhores resultados", disse Potter. "O uso generalizado de ressonância magnética para avaliar danos aos tecidos moles também pode ajudar a identificar padrões que podem, em última análise, melhorar o design do implante no futuro."

Fonte: https://www.auntminnie.com/index.aspx?sec=sup&sub=mri&pag=dis&ItemID=132886

 

Compartilhe


NOTÍCIAS RELACIONADAS