O ultrassom se correlaciona com a gravidade e duração do COVID-19

As consolidações pulmonares distinguiram entre pacientes com formas moderada e grave da nova doença por coronavírus.

27 Jul, 2020

Os achados das ecografias pulmonares foram correlacionados com a gravidade e a duração do COVID-19 em um estudo publicado em 23 de julho no American Journal of Roentgenology. Em particular, as consolidações pulmonares distinguiram entre pacientes com formas moderada e grave da nova doença por coronavírus. O estudo incluiu dezenas de pacientes que foram tratados consecutivamente para o COVID-19 em um hospital chinês em março. Os resultados podem ajudar os médicos a gerenciar pacientes com COVID-19 moderado a grave, observaram os autores. "Nossos resultados indicam que os achados do pulmão [ultrassom] podem ser usados ​​para refletir a duração da infecção e a gravidade da doença", escreveram os autores, liderados pelo Dr. Yao Zhang do Ditan Hospital em Pequim.

Zhang e colegas registraram 28 pacientes hospitalizados consecutivamente para o COVID-19 em sua instituição entre 1º de março e 30 de março. Todos os pacientes apresentaram resultado positivo para o novo coronavírus em um teste nasofaríngeo e foram submetidos a uma ultrassonografia ao lado do leito em decúbito dorsal, supino e decúbito. 

Todos os pacientes do estudo tinham linhas B nos exames de ultrassom, que indicam áreas com aumento de fluidos intersticiais e diminuição do ar alveolar. Outros dois terços dos pacientes apresentaram consolidação pulmonar e 61% apresentavam linha pleural espessada. Apenas um paciente apresentou derrame pleural. A consolidação pulmonar ocorreu significativamente mais frequentemente em pacientes com COVID-19 grave ou crítico do que em pacientes com doença moderada, descobriram os autores. Quase 87% dos pacientes com doença grave ou crítica tiveram consolidação pulmonar ao ultrassom, em comparação com apenas 46% dos pacientes com COVID-19 moderado.

Além disso, os pacientes com uma linha pleural espessada sofreram um período de infecção mais longo do que aqueles sem uma linha pleural espessada. Pacientes com menos de 20 dias entre o dia em que notaram os sintomas do COVID-19 e o dia da ecografia tiveram uma probabilidade significativamente menor de apresentar uma linha pleural espessada do que aqueles com diferença de 20 dias ou mais.

Os resultados do estudo aumentam o crescente corpo de pesquisas que demonstram que a gravidade das ecografias pulmonares pode prever piores resultados e até mortalidade para pacientes com COVID-19. Os autores enfatizaram que o ultrassom também traz benefícios exclusivos sobre outras modalidades de imagem, incluindo a TC, no tratamento de pacientes com o novo coronavírus. "[O ultrassom] é repetível em pacientes críticos, o que garante que o monitoramento da gravidade da doença e dos efeitos das terapias possa ser realizado com facilidade", escreveram eles. "Essa capacidade é particularmente importante em situações nas quais a TC do tórax não está disponível, como em enfermarias de isolamento e [unidades de terapia intensiva]".

Os autores alertaram que seu estudo se concentrou em um pequeno número de pacientes e não avaliaram como os achados do ultrassom poderiam ter mudado ao longo do tempo. Eles esperam que estudos futuros continuem a estudar o uso do ultra-som pulmonar para o COVID-19, particularmente como os sistemas de pontuação do ultrassom pulmonar podem melhorar a avaliação e o tratamento do COVID-19. "O pulmão [ultrassom] foi altamente sensível para detectar anormalidades em pacientes com COVID-19 e as linhas B, uma linha pleural espessada e consolidação pulmonar foram as características mais comumente observadas", concluíram os autores.

Imagem: (A) Imagem de ultrassom pulmonar obtida com uma sonda convexa. As setas externas mostram linhas B confluentes. As setas do meio apontam para uma linha pleural espessada. (B) Imagem de ultrassom pulmonar obtida com uma sonda linear. A seta aponta para uma linha B. A estrela denota uma consolidação pulmonar irregular. (C) Imagem da TC do tórax mostrando espessamento septal reticular e interlobular e opacidades focais irregulares associadas à distorção arquitetural. Imagem cortesia do American Journal of Roentgenology (AJR).

Fonte: https://www.auntminnie.com/index.aspx?sec=ser&sub=def&pag=dis&ItemID=129692

 

 
 
 

Compartilhe


NOTÍCIAS RELACIONADAS