Ultrassom com contraste pode pode distinguir tumores de mama benignos de malignos

O ultrassom tornou-se uma importante ferramenta de triagem para avaliar as lesões mamárias devido à sua ampla disponibilidade, baixo custo e segurança, e tem se mostrado útil para diferenciar tumores de mama benignos de malignos", escreveu o grupo da Universidade Shanghai Jiao Tong.

24 Jun, 2019

O ultrassom com contraste (CEUS) pode distinguir o carcinoma ductal in situ (CDIS) de fibroadenoma no tecido mamário, de acordo com um estudo publicado on-line em 17 de junho no Journal of Ultrasound in Medicine. Os resultados apoiam ainda mais o uso de CEUS no arsenal de rastreamento do câncer de mama, especialmente porque o DCIS pode ser difícil de diagnosticar, escreveu uma equipe liderada por Weiwei Li da Universidade Shanghai Jiao Tong.

"O ultrassom tornou-se uma importante ferramenta de triagem para avaliar as lesões mamárias devido à sua ampla disponibilidade, baixo custo e segurança. CEUS ... tem se mostrado muito útil para diferenciar tumores de mama benignos de malignos", escreveu o grupo, complementando que " o CDIS é um precursor do câncer de mama invasivo, mas diagnosticar com precisão o CDIS - e distinguí-lo de lesões benignas como fibroadenomas - pode ser complicado. A ultrassonografia quantitativa da mama tem sido usada para isso, mas a modalidade tem suas limitações", observou o grupo de Li.

É aí que entra CEUS, uma vez que pode avaliar a distribuição de sangue e fornecer análises qualitativas e quantitativas para caracterizar as lesões da mama, escreveram os pesquisadores.

Segundo o grupo o ultrassom com contraste é um método não invasivo que utiliza agentes de microbolhas para avaliar e quantificar a perfusão tecidual. "Portanto, é razoável supor que as diferentes características de realce podem ser usadas para avaliar a perfusão da microcirculação, bem como oferecer informações mais valiosas para distinguir as lesões malignas da mama das benignas", escreveu o grupo .

No entanto, até o momento, nenhum estudo explorou o valor diagnóstico do ultrassom de contraste para identificar o CDIS, de acordo com os autores. Assim, Li e seus colegas avaliaram as características do CDIS no CEUS, comparando os achados do CEIS com o CDIS e o fibroadenoma.

O estudo incluiu 251 mulheres com 127 lesões CDIS confirmadas histopatologicamente (tamanho médio de 26 mm) e 124 lesões de fibroadenoma (tamanho médio de 29 mm). Todas as mulheres passaram por CEUS. Li e colegas analisaram os achados CEUS do CDIS e fibroadenomas para características distintivas.

O grupo descobriu que as lesões do CDIS tinham mais características particulares que os fibroadenomas e que os CEUS poderiam identificá-los. Estes incluíram o seguinte:

Características identificadas pelo CEUS como característica do DCIS

Característica

DCIS

Fibroadenomas

Defeitos de perfusão sanguínea

74,6%

42,6%

Tempo de lavagem anterior

65,9%

38,5%

Tempo de lavagem anterior

38,9%

26,2%

Realce hiperdenso

44,4%

20,5%

Vasos Penetrantes

70,6%

41,8%

 

Os resultados confirmam que o CEUS oferece aos médicos uma maneira eficaz de diagnosticar o DCIS, concluíram Li e seus colegas. "Como uma nova modalidade de diagnóstico, o CEUS pode ser usado para avaliar os microvasos do CDIS com um volume baixo e velocidade do fluxo sangüíneo", escreveu o grupo. "As características, incluindo um tempo de lavagem anterior, realce hiperintenso, defeitos de perfusão sanguínea, um escopo de realce aumentado e vasos penetrantes são mais frequentes no CDIS do que no fibroadenoma. Assim, o CEUS pode ser usado como uma ferramenta valiosa para o diagnóstico diferencial de lesões DCIS e fibroadenoma ".

 

Fonte: AuntMinnie.com

Compartilhe


NOTÍCIAS RELACIONADAS